quarta-feira, 27 de maio de 2009

Igreja de Nossa Senhora de Fátima | Lajedo | Ponta Delgada | Arqt. Gomes de Meneses


Foto de Duarte Araújo
In http://olhares.aeiou.pt/igreja_nossa_senhora_de_fatima_foto2772070.html

Plano de Urbanização da Praia da Vitória | apresentação pública

"A Câmara Municipal da Praia da Vitória apresentou ontem o Plano de urbanização da Praia da Vitória e do Parque Empresarial da Boa Vista.

Roberto Monteiro, presidente da autarquia, considera que este é o momento que representa o início da segunda fase da estratégia de desenvolvimento delineada para o concelho.

Para o autarca trata-se de uma etapa que caracteriza a expansão da cidade, sustentada num plano de ordenamento territorial; aposta na dinamização e potenciação do sector privado como principal sustentáculo do desenvolvimento do concelho.

A implementação das novas infraestruturas, com base no plano de ordenamento, vai, segundo Roberto Monteiro, criar uma nova centralidade no desenvolvimento da cidade, “que se pretende ser um exemplo a nível ambiental, cultural, económico e urbanístico”

O projecto prevê o Parque Empresarial da Boa Vista; um Pavilhão Multiusos e novos arruamentos.

A autarquia garante que esta visão de desenvolvimento urbano aproveita os recursos e valoriza sinergias, tendo em conta que grande parte da zona de expansão, fica “no entroncamento entre infra-estruturas essenciais para o desenvolvimento do Concelho e da Ilha, nomeadamente o Porto Comercial, o Aeroporto, a Via Vitorino Nemésio e a nova Avenida Marginal”.

O espaço e as orientações apresentadas ontem publicamente vão permitir mais uma zona residencial, “sendo que a grande orientação estratégica é para a habitação unifamiliar, já que a única excepção na Praia é a construção, já a decorrer, da urbanização de Nossa Senhora de Fátima”, explicou o responsável pela edilidade.

Para Roberto Monteiro pretende-se criar “harmonia entre os espaços residenciais e comerciais”, numa área de 160 hectares, que fará com que, nos próximos 15 a 30 anos, a cidade possa triplicar a sua zona urbana. A Câmara prevê mesmo um aumento populacional “superior aos 3.500 habitantes, sendo de esperar que a maioria dos novos residentes sejam casais jovens”.

O Parque Empresarial da Boa Vista, segundo a autarquia, não terá empresas poluentes.

Para Roberto Monteiro esta nova visão para a Praia da Vitória “demonstra estratégia e potencia a fixação dos jovens, quer por via dos novos espaços urbanísticos, quer pela criação de uma zona de excelência, para criação/instalação de empresas e potenciação de novos empregos”.

O plano além de definir cada uma das zonas, avança com regras para o desenvolvimento da cidade. Monteiro quer garantir que a Praia da Vitória será uma cidade confortável e moderna, prevendo espaços para todos.

A Câmara tem investido, nos últimos tempos, na revitalização do centro urbano com o alargamento dos passeios, a criação de espaços de lazer e do embelezamento da cidade. A remodelação ainda em curso abrange a zona da beira-mar, a Praça Francisco Ornelas da Câmara, a zona do Largo da Luz/Rotunda do Cemitério e a zona do Parque Desportivo.

Outro projecto do autarca é a concentração de todos dos serviços municipais no centro da cidade."


In http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=16369

terça-feira, 26 de maio de 2009

Cidade de formigas

Recebi este vídeo por email... é digna de ver esta inteligente urbe concebida por formigas.
video

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Prémio nacional distingue autores do projecto do Centro de Visitantes da Gruta das Torres | Pico | Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira

Ponta Delgada, 21 Mai (Lusa) - O Centro de Visitantes da Gruta das Torres, na ilha do Pico, Açores, venceu o Prémio Nacional Tektónica 2009, promovido pela Ordem dos Arquitectos, pela sua "postura contemporânea na cuidada atenção ao lugar".

O Centro, inaugurado em Maio de 2005, é um projecto dos arquitectos Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira, para uma obra da Secretaria Regional do Ambiente.

O júri, que decidiu por unanimidade, destacou a "economia de meios utilizados", considerando que ela "reforça a condição de sustentabilidade, entendida de modo operativo e actual".



quinta-feira, 21 de maio de 2009

Apresentação do Projecto da Nova Zona Verde | Angra do Heroísmo

Soube apenas hoje, infelizmente, da apresentação do projecto da nova zona verde para Angra do Heroísmo, que ontem decorreu na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo. Abaixo segue a notícia retirada do site do jornal União.

"A presidente da Câmara Municipal apresentou ontem o projecto para a nova zona verde de Angra do Heroísmo, um espaço que fará a ligação entre o Jardim Público e a Rua da Pereira.

O projecto inclui um Centro Interpretativo de Angra Património Mundial, um Centro de Artes, um parque infantil coberto, um skatepark, uma cafetaria, um espaço de lazer e convívio, um anfiteatro e um parque de estacionamento.

De acordo com Andreia Cardoso, o projecto representa “um passo arrojado, firme, com um inequívoco toque de modernidade, mas preservando a nossa memória colectiva e as marcas distintivas que fazem de Angra uma cidade singular”.

“Desta forma, serena mas determinada, vamos trilhando o nosso caminho. O caminho de um Concelho moderno, cosmopolita, aberto aos angrenses e a quem nos visita”, sublinhou a autarca.

Segundo Andreia Cardoso, “mais do que apresentar projectos megalómanos ou prometer fazer o que já está há muito concluído, projectamos a nossa cidade e o nosso Concelho de forma equilibrada, sustentada, realista”.

“Angra merece todo o nosso esforço, todo o nosso empenho. Pois o seu legado sempre foi o de uma cidade livre, tolerante, acolhedora, pólo de uma universalidade que a colocou na vanguarda do mundo moderno”, concretizou."



In http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=16320

quarta-feira, 20 de maio de 2009

"Projectos de arquitectura e de engenharia separados" | Revogação do Decreto 73/73

"Depois de 35 anos de contestação pela Ordem dos Arquitectos, foi revogada na Assembleia da República, na passada sexta-feira, a lei de 1973 que permitia a assinatura de projectos de arquitectura por engenheiros e vice-versa.
A nova lei redefine conceitos técnicos e a qualificação exigida aos técnicos para a elaboração de projectos de arquitectura e de engenharia, bem como para a direcção e fiscalização de obras.
"É com grande alegria que os arquitectos vêem revogada a famigerada lei 73/73", revela o responsável pelo curso de Arquitectura da Universidade dos Açores, arquitecto Kol de Carvalho.
Embora desconheça o texto integral que foi aprovado, que estava a ser discutido há bastante tempo e que surgiu de duas propostas de alteração formuladas pelas "ordens" dos Arquitectos e Engenheiros, Kol de Carvalho considera que "a revogação da lei anteriormente em vigor é positiva porque vai permitir, exclusivamente aos arquitectos, fazer arquitectura, e exclusivamente aos engenheiros, fazer engenharia".
Kol de Carvalho refere que a assinatura de projectos de arquitectura por gabinetes de engenharia "era frequentíssimo" nos Açores, e portanto, não tem dúvidas de que com esta nova lei haverá muito mais trabalhos disponíveis para os arquitectos.
Embora que considere que era menos frequente arquitectos assinarem projectos de engenharia, Kol de Carvalho diz ter conhecimento de alguns casos.
"A globalização dos sistemas informáticos veio fazer com que muitos arquitectos, ao introduzir meia dúzia de dados no computador, pensassem que sabiam fazer engenharia" explicou, acrescentando que esta situação se verificava em projectos que não fossem considerados "muito difíceis. Um limite impossível de estabelecer, já que não tem a ver nem com a dimensão, nem com a qualquer outro parâmetro mesurável". " Garantir que toda a arquitectura é para os arquitectos e toda a engenharia para os engenheiros, é um bom presságio para as nossas construções e para o futuro das duas classes", considera o arquitecto.
A Ordem dos Arquitectos considerou "histórica" a decisão do Parlamento porque "abre um novo capítulo na vida dos arquitectos e da arquitectura portuguesa".
In jornal União de 19 de Maio de 2009, por João Cordeiro

sábado, 16 de maio de 2009

Arquitecturas | Madeira